Loading...
Loading...

quarta-feira, 27 de julho de 2011

COMÉRCIO EXTERIOR DA BAHIA - FRAÇÃO DE VERDADE

RECENTEMENTE FOI NOTICIADO NA IMPRENSA LOCAL, EM MANCHETES DE PRIMEIRA PÁGINA, QUE AS EXPORTAÇÕES BAIANAS BATERAM RECORDES HISTÓRICOS EM JUNHO DE 2011, COM A MARCA DE US$ 1,050 SUPERANDO O MESMO MÊS DE 2010 EM 45,9%. ENTRETANTO ESTE DADO ESTATÍSTICO ISOLADAMENTE NÃO É SUFICIENTE PARA UMA ANÁLISE MAIS PROFUNDA DO COMPORTAMENTO DA BALANÇA COMERCIAL E A ECONOMIA DA BAHIA.

MAIS SIGNIFICATIVO DO QUE A MANCHETE SENSACIONALISTA, SERIA VERIFICAR QUAL FOI O RESULTADO DA BALANÇA DE COMÉRCIO DO ESTADO, PERANTE AS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO. NÃO SE FAZ PRUDENTE TER COMO PARÂMETRO A PRÓPRIA BAHIA, ISSO PODE INDUZIR A UMA ILUSÃO, SE FOR INTENCIONAL A FUNÇÃO SERIA DE UMA CORTINA DE FUMAÇA PARA ENCOBRIR A INEFICIÊNCIA.

VAMOS TENTAR, SEM MAIORES PRETENSÕES, DEMONSTRAR QUE O FATO ISOLADO POUCO SIGNIFICA SE NÃO FOR AVALIADO NO ÂMBITO DO CONTEXTO DA CONJUNTURA.

A TABELA ABAIXO, COM SÉRIE HISTÓRICA DE 1980 ATÉ JUNHO DE 2011, INDICA QUE A BAHIA OBTEVE EM 1983 UMA PARTICIPAÇÃO DE 7% NO TOTAL DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS, PERÍODO ONDE A PRODUÇÃO DE CACAU E SEUS PREÇOS RELATIVOS ESTAVAM EM ALTA, VEJA QUE NOS DEMAIS PERÍODOS DA DÉCADA DE OITENTA OBSERVA-SE UMA TENDÊNCIA DECLINANTE DESTA PARTICIPAÇÃO, ACOMPANHANDO A CRISE DA LAVOURA CACAUEIRA.

A PARTIR DE 2001, HOUVE NOVA REAÇÃO DAS VENDAS EXTERNAS DO ESTADO, COM AUGE EM 2005 – 5,05%, DEPOIS SÓ DECLÍNIO, COM 4,15% NO INTERVALO DE JAN/JUN DE 2011, ONDE A BAHIA BATEU RECORDE NO MÊS DE JUNHO, MAS DIMINUI SUA PARTICIPAÇÃO NO BOLO.


Participação da Bahia no comércio exterior brasileiro
1980/2011
( em % )
Anos
Exportações
Importações
Saldo
Corr. de comércio
1980
5,53
3,59
( - )
4,50
1981
5,54
2,58
59,95
4,10
1982
5,53
3,14
59,74
4,26
1983
7,00
2,86
16,89
5,29
1984
6,43
2,36
10,77
5,05
1985
6,38
3,10
9,84
5,27
1986
5,07
3,23
8,18
4,36
1987
4,85
3,22
7,04
4,25
1988
4,37
4,63
4,16
4,45
1989
4,43
3,55
5,43
4,12
1990
4,62
3,71
6,39
4,26
1991
4,04
3,00
6,10
3,62
1992
4,17
2,60
6,26
3,59
1993
4,76
2,41
6,36
3,22
1994
3,95
2,27
9,32
3,58
1995
4,13
3,65
( - )
3,25
1996
3,87
2,74
( - )
3,27
1997
3,52
2,67
( - )
3,07
1998
3,58
2,60
( - )
3,06
1999
3,29
2,98
( - )
3,14
2000
3,53
4,01
( - )
3,77
2001
3,64
4,09
( - )
3,86
2002
3,99
3,98
4,06
3,98
2003
4,46
4,03
5,30
4,29
2004
4,21
4,81
3,09
4,45
2005
5,05
4,55
5,87
4,86
2006
4,92
4,90
4,95
4,91
2007
4,61
4,50
4,94
4,56
2008
4,39
3,76
8,86
4,10
2009
4,58
3,61
9,46
4,14
2010
4,40
3,65
11,16
4,04
2011*
4,15
3,48
9,54
3,83
Fonte: MDIC/SECEX, dados coletados em 07/07/2011
Elaboração: SEI – Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia
Obs: importações efetivas, dados preliminares
(-) Saldo negativos
(*) Dados referentes ao mês de Jan./Jun.


OUTRA SUTILEZA EM RELAÇÃO AO RECORDE DE JUNHO DE 2011 PERCEBE-SE NA TABELA A SEGUIR, AS EXPORTAÇÕES POR ESTADO. NUM UNIVERSO DE 13, O ÍNDICE DE CRESCIMENTO DA BAHIA – 18,39% – SÓ FOI SUPERIOR AO DE MATO GROSSO, SÃO PAULO E A MÉDIA DOS DEMAIS ESTADOS, SENDO QUE A MÉDIA DO BRASIL FOI DE 32,65%.

É RELEVANTE INFORMAR QUE HÁ UNS SETE ANOS ATRÁS ESTAVAMOS Á FRENTE DO PARÁ, ESPÍRITO SANTOS E MATO GROSSO, E NOS APROXIMANDO DO PARANÁ E RIO GRANDE DO SUL, PERDEMOS 3 POSIÇÕES. SERÁ QUE ESSE FATO NÃO REFORÇA A PERDA DE COMPETITIVIDADE POLÍTICA E ECONÔMICA DA BAHIA?

EM TEMPOS NÃO MUITO DISTANTES A BAHIA LUTAVA E SE PREPARAVA PARA SER A TERCEIRA ECONOMIA DA FEDERAÇÃO ATRÁS DE SÃO PAULO, MINAS E RIO DE JANEIRO, HOJE FICO TRISTE COM O QUE VEJO.


Anexo VI - Exportações brasileiras
Principais estados
Jan./Jun. - 2010/2011
( Valores em US$ 1000 FOB )
Estados
2010
2011
Var.%
Part. %
São Paulo
23.267.339
27.089.608
16,43
22,90
Minas Gerais
12.333.172
18.684.153
51,50
15,79
Rio de Janeiro
9.365.305
14.531.835
55,17
12,28
Rio Grande do Sul
7.140.545
9.261.124
29,70
7,83
Paraná
6.474.597
8.228.931
27,10
6,96
Para
4.225.541
7.807.541
84,77
6,60
Espírito Santo
4.813.667
7.222.480
50,04
6,11
Mato Grosso
4.545.287
5.103.349
12,28
4,31
Bahia
4.143.676
4.905.782
18,39
4,15
Santa Catarina
3.549.324
4.320.640
21,73
3,65
Goiás
2.015.663
2.812.924
39,55
2,38
Mato Grosso do Sul
1.276.481
1.812.395
41,98
1,53
Demais estados
6.036.830
6.522.751
8,05
5,51
Total
89.187.427
118.303.513
32,65
100,00
Fonte: MDIC/SECEX, dados coletados em 07/07/2011
Elaboração: SEI – Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia

QUANDO COMPARADO AOS ESTADOS DO NORDESTE A NOSSA PARTICIPAÇÃO RELATIVA CONTINUA SIGNIFICATIVA – 57,99 -, EM RELAÇÃO AO MESMO PERÍODO DE 2010, SÓ PERDEMOS PARA ALAGOAS – 46,20% – E SERGIPE – 54,88% -, MAS SÃO ESTADOS COM PARTICIPAÇÃO DIMINUTA EM RELAÇÃO À BAHIA. AGORA VERIFIQUE O CRESCIMENTO DE PERNAMBUCO, NEGATIVO EM 9,89, MAS RECEBE DA UNIÃO UM MONTANTE DE VERBAS PARA INVESTIMENTOS EM PORTOS BEM SUPERIOR A BAHIA, PARADOXO OU FRAQUEZA POLÍTICA.


Anexo VII - Exportações nordestinas por estado
Jan./Jun. - 2010/2011
(Valores em US$ 1000 FOB)
Estados
2010
2011
Var.%
Part.%
Bahia
4.143.676
4.905.782
18,39
57,99
Maranhão
1.584.073
1.390.949
-12,19
16,44
Alagoas
547.429
800.351
46,20
9,46
Ceara
595.335
610.372
2,53
7,22
Pernambuco
517.960
466.737
-9,89
5,52
Rio Grande do Norte
137.672
105.734
-23,20
1,25
Paraíba
95.230
87.263
-8,37
1,03
Piauí
57.743
49.498
-14,28
0,59
Sergipe
27.633
42.798
54,88
0,51
Total
7.706.751
8.459.484
9,77
100,00
Fonte: MDIC/SECEX, dados coletados em 07/07/2011
Elaboração: SEI – Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia




OUTRO FATOR NEGATIVO, TRADUZ QUE O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BAIANAS SE ESTRUTURAM NA VALORIZAÇÃO DOS SEUS PRINCIPAIS ITENS E NÃO PELO AUMENTO DAS QUANTIDADES FÍSICAS. O QUE PODE SINALIZAR QUE ALGUMAS UNIDADES FABRIS EXPORTADORAS TENHAM FECHADO OU REDUZIDO SUAS ATIVIDADES, OU TAMBÉM QUE TENHAMOS PERDIDO MERCADO POR FALTA DE COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA, POIS SE OS PREÇOS ESTÃO MELHORES SIGNIFICA QUE VAMOS EMBARCAR UMA QUANTIDADE SUPERIOR.

EM JAN/JUN DE 2010 NOSSOS EMBARQUES FORAM NA ORDEM 5.314.503 TON ENQUANTO NO MESMO PERÍODO DE 2011 ALCANÇARAM 4.968.055 TON, -6,5%, OS EMBARQUES FÍSICOS SÃO NA VERDADE O QUE GERA RENDA E POSTOS DE TRABALHO PARA A CADEIA LOGÍSTICA E NAS PRÓPRIAS UNIDADES EXPORTADORAS.

EM RELAÇÃO ÀS IMPORTAÇÕES, O CENÁRIO É MAIS PREOCUPANTE PARA NOSSO ESTADO REFLETINDO PERDA DE COMPETITIVIDADE E ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA. VEJAM QUE EM TODA SÉRIE DA TABELA ABAIXO A BAHIA TEVE O MENOR CRESCIMENTO COM MÍSEROS 13,43%, ENQUANTO PERNAMBUCO OBTEVE 66,28%.

COM BASE NOS DADOS, DUAS ANÁLISES PODEM SER TRADUZIDAS, QUEM IMPORTA INSUMOS E BENS DE CAPITAL – MAQUINÁRIOS – É PORQUE ESTÁ CRESCENDO, SE DESENVOLVENDO TECNOLOGICAMENTE, SEGUNDO, QUEM TEM CONDIÇÕES PARA REALIZAR ESSE EVENTO É PORQUE POSSUI BONS PORTOS, BOA LOGÍSTICA E PRESTÍGIO NO GOVERNO DA UNIÃO.


Anexo XIV - Importações brasileiras
Principais estados
Jan./Jun. - 2010/2011
( Valores em US$ 1000 FOB )
Estados
2010
2011
Var.%
Part %
São Paulo
31.113.782
39.636.212
27,39
37,63
Rio de Janeiro
6.938.808
8.928.703
28,68
8,48
Paraná
5.834.146
8.595.816
47,34
8,16
Rio Grande do Sul
6.195.349
7.462.167
20,45
7,08
Santa Catarina
5.257.724
6.841.709
30,13
6,50
Amazonas
4.873.990
6.124.110
25,65
5,81
Minas Gerais
4.413.418
5.756.176
30,42
5,46
Espírito Santo
3.334.233
4.866.239
45,95
4,62
Bahia
3.233.942
3.668.399
13,43
3,48
Goiás
1.925.250
2.533.420
31,59
2,41
Maranhão
1.662.256
2.391.512
43,87
2,27
Pernambuco
1.318.460
2.192.385
66,28
2,08
Demais estados
5.199.888
6.339.996
21,93
6,02
Total
81.301.246
105.336.844
29,56
100,00
Fonte: MDIC/SECEX, dados coletados em 07/07/2011
Elaboração: SEI – Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia



A PRÓXIMA INFORMAÇÃO, DEMONSTRA AS VENDAS EXTERNAS DA BAHIA POR SEGMENTOS. CELULOSE E PAPEL ESTÃO NA LIDERANÇA, VARIAÇÃO DE 8,99% E PARTICIPAÇÃO DE 18,55% NA PAUTA, LOGO A SEGUIR PRODUTOS QUÍMICOS E PETROQUÍMICOS -6,4% NA VARIAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE 17,10%, É BOM LEMBRAR QUE ESTE SEGMENTO LIDEROU A PAUTA DE EXPORTAÇÃO DURANTE MUITO TEMPO, SEGUIDO DE AUTOMÓVEIS, HOJE EM 6º LUGAR.


Anexo IX - Exportações baianas
Principais segmentos
Jan./Jun. - 2010/2011
Segmentos
Valores (US$ 1000 FOB)
Var.
Part.
2010
2011
%
%
Papel e celulose
834.893
909.971
8,99
18,55
Químicos e petroquímicos
897.783
839.041
-6,54
17,10
Petróleo e derivados
717.175
902.889
25,90
18,40
Metalúrgicos
276.874
459.608
66,00
9,37
Soja e derivados
370.893
483.174
30,27
9,85
Automotivo
232.760
259.643
11,55
5,29
Metais preciosos
118.618
223.458
88,38
4,55
Cacau e derivados
140.642
144.155
2,50
2,94
Borracha e suas obras
107.554
136.404
26,82
2,78
Café e especiarias
56.636
92.164
62,73
1,88
Couros e peles
55.812
66.690
19,49
1,36
Minerais
14.050
57.502
309,25
1,17
Algodão e seus subprodutos
57.868
45.315
-21,69
0,92
Sisal e derivados
32.287
43.707
35,37
0,89
Calçados e suas partes
45.547
40.277
-11,57
0,82
Máqs., apars. e mat. elétricos
38.000
35.973
-5,33
0,73
Frutas e suas preparações
31.251
34.031
8,89
0,69
Fumo e derivados
8.172
13.629
66,77
0,28
Móveis e semelhantes
6.410
7.239
12,93
0,15
Demais segmentos
100.450
110.913
10,42
2,26
Total
4.143.676
4.905.782
18,39
100,00
Fonte: MDIC/SECEX, dados coletados em 07/07/2011
Elaboração: SEI – Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia


A LIÇÃO FILOSÓFICA QUE FICA DESTE TEXTO É QUE AS FRAÇÕES DE VERDADES NÃO SÃO SUFICIENTES PARA DEFINIR O DISCERNIMENTO E SIM, TODA A VERDADE.



JOSEMAR SOUZA SANTOS




Nenhum comentário:

Postar um comentário