Loading...
Loading...

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

ARGENTINA DA DE GOLEADA EM INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA



NESSE ESPAÇO TEMOS ELOGIADO O POVO ARGENTINO PELO SEU DETERMINISMO, PROVADO EM DIVERSAS OPORTUNIDADES, NO INTUITO DE LUTAR CONTRA A FRIEZA DO NEOLIBERALISMO, QUE RETIRA A PRESENÇA DO ESTADO COMO PROVEDOR DE SERVIÇOS ESSENCIAIS PARA SOCIEDADE, ESTA QUE MANTÉM O SETOR PÚBLICO  COM OS TRIBUTOS PAGOS, ENTREGANDO A GRUPOS PRIVADOS ONDE O ÚNICO OBJETIVO SE CHAMA LUCRO.

CREIO QUE O ESTADO DEVA ATENDER AS NECESSIDADES PRECÍPUAS DA POPULAÇÃO, E NÃO ESTAR PRESENTE EM ATIVIDADES CUJOS  FINS SEJAM DE CARÁTER ECONÔMICO OU FINANCEIRO, A EXEMPLO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS. EM OUTROS SETORES A TRANSFERÊNCIA DE SERVIÇO PÚBLICO PARA PARTICULARES, DEVE SER FEITA DE MODO GRADATIVO PRINCIPALMENTE EM NAÇÕES SUB-DESENVOLVIDAS COMO O BRASIL, POIS O ÍNDICE DE CARÊNCIAS ECONÔMICAS E SOCIAIS SÃO GRANDES, NECESSITANDO DA INTERFERÊNCIA DO ESTADO PARA QUE SEJAM APLICADAS TARIFAS CONDIZENTES COM O PODER AQUISITIVO DA POPULAÇÃO O QUE NÃO SERIA FEITO PELO PARTICULAR.

UMA COISA É APLICAR A DOUTRINA NEOLIBERAL NA SUÉCIA, HOLANDA, CANADÁ, ETC, PAÍSES QUE ATINGIRAM UM GRAU ELEVADO DE DESENVOLVIMENTO,  ONDE OS IMPOSTOS PAGOS RETORNAM INTEGRALMENTE AOS CONTRIBUINTES, SEM DESVIOS NO MEIO DO CAMINHO - CORRUPÇÃO -, NA VERDADE NESSAS NAÇÕES O ESTADO POUCO INTERVÉM, POIS OS SERVIÇOS PÚBLICOS FUNCIONAM DE MODO EXEMPLAR.OUTRA SITUAÇÃO É ESTA FILOSOFIA SENDO APLICADA EM UM PAÍS POBRE COMO O BRASIL, ONDE A RENDA MAL DÁ PARA SE ALIMENTAR DIGNAMENTE.

NESSA LINHA O MINISTRO DA ECONOMIA DA ARGENTINA AMADO BOUDOU, E SEU VICE, ROBERTO FELETTI, DEFENDEM QUE AS FACULDADES FEDERAIS DE ECONOMIA PASSEM A DAR MAIS ESPAÇO A KARL MARX, JONH KEYNES E RAUL PREBISCH - ARGENTINO FUNDADOR DA CEPAL,  DANDO MAIOR ÊNFASE A GRADES HETERODOXAS AO INVÉS DE POLÍTICAS ORTODOXAS, ENFATIZANDO O DESENVOLVIMENTO, ATRAVÉS DO CRESCIMENTO DO MERCADO INTERNO,  JUNTO A UM ESTADO COM MAIOR PRESENÇA NA CONDUÇÃO DA ECONOMIA DO PAÍS.

TERMOS COMO SUPERAVIT FISCAL E LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL, APENAS GARANTEM O LUCRO DOS BANCOS E ESPECULADORES FINANCEIROS, POUCO FICANDO PARA GASTOS DIRETAMENTE LIGADOS AO BEM ESTAR, SAÚDE, EDUCAÇÃO, SEGURANÇA E INFRAESTRUTURA.

SIMPATIZO COM O NACIONALISMO DO POVO ARGENTINO, QUE NÃO TEM APENAS O FUTEBOL COMO SÍMBOLO DO PAÍS, MAS PRINCIPALMENTE SUA AUTO DETERMINAÇÃO E ESTIMA.

VEJA QUE APESAR DA SITUAÇÃO SOCIAL E  ECONÔMICA DA ARGENTINA NÃO SER IDEAL, ELES ESTÃO EM DIVERSOS SETORES A FRENTE DO BRASIL.



JOSEMAR







 26 de Setembro de 2011 07:47
Superioridade não está nem no futebol e nem na produção do grão, mas sim, na logística que faz inveja ao Brasil


Enquanto brasileiros e argentinos fazem de tudo para provar quem é o rei do futebol das Américas e que jogador melhor representa esta superioridade, se Pelé ou Maradona, na rentabilidade do agronegócio, sem dúvida alguma eles colocam o Brasil e Mato Grosso – maior produtor nacional de soja – no chinelo, como se diz popularmente. Além de terras naturalmente férteis, o escoamento da produção é feito por meio de uma invejada infraestrutura logística que permite, por exemplo, que o maior navio graneleiro do mundo – o Panamax que carrega de uma vez 65 mil toneladas – aporte do lado argentino do rio Paraná e saia do complexo portuário de Rosário direto para a China.


Mas a vantagem competitiva das exportações argentinas é apenas o ponto final de uma saga repleta de etapas positivas à produção de soja quando comparada ao que acontece no Brasil e em Mato Grosso. Enquanto toneladas de soja percorrem mais de 2 mil quilômetros de Sorriso (MT) até o porto de Santos (SP) para serem despachadas com destino à China, por exemplo, na Argentina a distância entre a região produtora do grão até o porto não passa de 500 quilômetros.


A região da grande Rosário, na província de Santa Fé, concentra cerca de 80% da produção nacional de soja na Argentina, cujo volume da safra 10/11 atingiu 50 milhões de toneladas. A primeira vista, a região poderia ser comparada ao Cerrado brasileiro devido a sua importância dentro da produção do grão no país. Entretanto, a similaridade que mal começou finda por aí mesmo, já que num raio de 65 quilômetros existem 13 indústrias de esmagamento de soja, o que torna a região a maior esmagadora do mundo, com capacidade para 130 mil toneladas ao dia. Para chegar até o porto, a soja roda em média 300 quilômetros em rodovias até chegar ao complexo portuário de Rosário, de onde pode seguir diretamente para a China e para a Europa.


Esse corredor de produção registra um crescimento exponencial nos últimos dez anos. De quatro portos na década passada, agora são 12 até o norte de Rosário, fruto de um esforço conjunto de ações público-privadas.


A logística da porteira para fora permite, por exemplo, que o custo de frete de uma tonelada até o porto fique em torno de US$ 20, ante uma média de US$ 120 t de Sorriso (MT) até o porto de Santos (SP), uma diferença de 500%.


“Muitas vantagens se revelam em favor da Argentina. A produção local está em plena expansão e isso pode ditar o mercado. Sem dúvida esse conjunto logístico e a anunciada expansão da área plantada rumo à região do Chaco, trazem riscos ao Brasil e mostram o quanto estamos defasados em relação às demandas logísticas, seja no Mato Grosso, seja no Brasil”, aponta o diretor técnico da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado (Aprosoja/MT), Luiz Nery Ribas, que conheceu in loco o complexo portuário de Rosário.


NOVA ROTA – O complexo portuário de Rosário pode ser uma alternativa de escoamento à soja mato-grossense. A possibilidade de utilizar a hidrovia Paraguai-Paraná, partindo de Cáceres (225 quilômetros ao oeste de Cuiabáviavél, pois a maior parte da distância seria percorrida por hidroviaMarianna Peres viajou a convite da Aprosoja/MT/Veja mais na página C2)


Fonte:Diário de Cuiabá/MARIANNA PERES/Enviada Especial à Argentina

Nenhum comentário:

Postar um comentário