Loading...
Loading...

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

ESTADO DA BAHIA NEGOCIA COM A CAIXA ECONÔMICA MOVIMENTAÇÃO DO ERÁRIO, JÁ EM JANEIRO DE 2012




BOA NOTÍCIA, SEGUNDO O SITE "BAHIA NOTÍCIA", AGORA LASTREADO POR CIRCULAR DO BANCO CENTRAL Nº 3.522 DE JANEIRO DE 2011, QUE DETERMINA O CERCEAMENTO PARA  CONTRATOS DE EXCLUSIVIDADE DE CRÉDITO CONSIGNADO FIRMADOS ENTRE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E ENTES PÚBLICOS DA ESFERA FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL, OS SERVIDORES ESTADUAIS DO EXECUTIVO BAIANO PODERÃO ESCOLHER O BANCO QUE BEM QUISER PARA REALIZAR SUAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, MESMO QUE TENHAM RESTRIÇÕES CADASTRAIS COM SERASA E SPC.

HOUVE UMA CELEUMA EM RELAÇÃO AO ENTENDIMENTO JURÍDICO SE ESTA CIRCULAR DO BACEN VALERIA SÓ PARA OS CONTRATOS NOVOS OU  RETROAGIRIA SEUS EFEITOS AO PRETÉRITO. MAS, AGORA ISTO NÃO INTERESSA; MUDANDO PARA CAIXA, O CONTRATO TERIA DE ESTAR EM CONFORMIDADE COM OS DITÂMES DO BANCO CENTRAL, LOGO ESSA FAMIGERADA EXCLUSIVIDADE NÃO MAIS ATORMENTARIA OS SERVIDORES DO EXECUTIVO DO ESTADO DA BAHIA.

A CAIXA SEMPRE ATENDEU ESSA ESPÉCIE DE CRÉDITO - CONSIGNADO - DE FORMA A NÃO PREJUDICAR O SERVIDOR PÚBLICO DO EXECUTIVO DO ESTADO DA BAHIA, POIS SEUS GERENTES DE CAPTAÇÕES ENTENDEM, DE FORMA CLARA, QUE OS RISCOS NESSE TIPO DE OPERAÇÃO SÃO PRATICAMENTE NULOS, ENTÃO BOAS VINDAS A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL.



JOSEMAR



Parte superior do formulário
  
Parte inferior do formulário
Os funcionários públicos baianos, que atualmente recebem seu salários em contas no Banco do Brasil, podem ter de mudar de banco nos próximos meses. Isso porque o governo do Estado, segundo o colunista Josias de Souza, da Folha de S. Paulo, negocia com a Caixa Econômica Federal a venda da folha salarial. A negociação pode gerar um rompimento de contrato com o BB, que pagou em 2007 R$ 400 milhões, em compromisso que iria vigorar até 2012, mas que foi renovado antes, no ano passado com prazo para até 2015, desembolsando mais R$ 201 milhões. Segundo o colunista o governador Jaques Wagner e o presidente da Caixa, o baiano petista radicado em São Paulo Jorge Hereda, cuidam da negociação pessoalmente. Á época da assinatura do contrato com o BB, em 2007, o banco estatal teve de assumir o compromisso de expandir sua rede de agências de modo a cobrir todos os 417 municípios baianos. Assegurou ainda aumentar a carteira de crédito na Bahia, destinando algo como R$ 8 bilhões a empréstimos para agricultores familiares e pequenos empresários. A folha salarial do funcionalismo baiano representa cifras superiores a R$ 5 bilhões ao ano.





Banco Central proíbe exclusividade em operação de crédito
Medida veta a criação de convênios que limitem o acesso dos clientes a empréstimos ofertados por outras instituições, inclusive consignado
Banco do Brasil terá de rever exigência de exclusividade em crédito consignado (AFP)
A medida vai ao encontro de reclamações de clientes e bancos pequenos contra o Banco do Brasil, que exigia exclusividade no crédito consignado após comprar folhas de pagamento de bancos estaduais
O Banco Central divulgou nesta sexta-feira em seu portal na internet a circular nº 3 522 que proíbe instituições financeiras de celebrar “convênios, contratos ou acordos que impeçam ou restrinjam o acesso de clientes a operações de crédito ofertadas por outras instituições, inclusive aquelas com consignação em folha de pagamento”.
A medida, já em vigor, vai ao encontro de reclamações de clientes e bancos pequenos contra o Banco do Brasil (BB), que passou a impor exclusividade no crédito consignado ao comprar folhas de pagamento de bancos estaduais.
O comunicado explica que a medida faz parte da atuação permanente do BC em aprimorar mecanismos que venham facilitar o acesso ao crédito “e, consequentemente, promover a eficiência do Sistema Financeiro Nacional”. A autoridade monetária afirma que este ganho de eficiência é fator fundamental para a disseminação do mercado de crédito, criando condições para a redução dos spreads bancários.
A medida, segundo o texto do BC, também deve favorecer o aumento da inclusão financeira. Estudo recente






Terça, 06 de Julho de 2010 - 10:21
O Ministério Público Estadual (MP-BA) investiga a legalidade do distrato e posterior recontratação do Banco do Brasil S/A pelo Estado, no mesmo dia, 7 do mês passado. A decisão do MP foi motivada por denúncia do deputado estadual Carlos Gaban (DEM). O governo não vai se pronunciar até a notificação oficial. Pelo primeiro contrato com o BB, celebrado em 2007 para administração de contas do governo até 2012, o Estado recebeu R$ 400 milhões. Nesta nova transação, que expira em 2015, serão mais R$ 201 milhões para o tesouro estadual, no ano em que o governador Jaques Wagner (PT) concorre à reeleição. No novo contrato, além de administrar a folha de pessoal, a instituição financeira prevê regras para contratação de empréstimo consignado (descontado em folha) para servidores. A Lei de Licitação prevê casos de proibição para contratação do mesmo ente quando há distrato. O MP também questiona a inexigibilidade de licitação, uma vez que o BB não é banco integralmente público, mas sociedade anônima. Informações do A Tarde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário